Cadastre-se e receba atualizações por E-mail

terça-feira, 22 de outubro de 2013

ATIVIDADE FÍSICA x AMAMENTAÇÃO


A Atividade física regular é um importante fator para a promoção e manutenção da saúde da mulher em todas as idades e situações, inclusive na gestação e na fase pós-parto.
Fala-se muito da pratica de atividade física em gestantes objetivando a manutenção da aptidão física e da saúde, a diminuição de sintomas gravídicos, o melhor controle ponderal, a diminuição da tensão no parto, e uma recuperação no pós-parto. Porém alguns mitos rodeiam a pratica do exercício no pós-parto, como a amamentação.
Os exercícios no período pós-parto, não existindo complicações, iniciam-se 30 dias após o parto normal e 45 dias após a cesariana, aplicando-se os mesmos princípios utilizados para a prescrição de exercícios na população em geral. Durante o período de amamentação, desde que a ingestão calórica e hídrica da mãe se mantenha normal, os exercícios leves a moderados não afetam a quantidade ou a composição do leite, e por isso não exercem qualquer impacto sobre o crescimento do bebê.
Possíveis influências do exercício na fase de amamentação foram avaliadas em um ensaio randomizado que analisou os efeitos de atividades aeróbias realizadas a 60-70% da FC de reserva, durante 45 minutos, cinco vezes por semana, não se observando nenhuma diferença significativa no volume e na composição do leite materno após 12 semanas. A única diferença significativa observada neste estudo foi um aumento de 25% no Vo²máx do grupo ativo. Concluindo-se, portanto, que o exercício físico é seguro para o lactente e eficaz para a mãe no período pós-parto.
Exercícios com intensidades superiores, que resultem na produção de ácido láctico, não são recomendados. Em algumas mulheres, os níveis de ácido láctico elevam-se no leite e permanecem elevados por cerca de 90 minutos depois da prática do exercício, dando ao leite um sabor que o bebê pode não gostar. Neste caso, recomenda-se que a mãe amamente o bebê antes de fazer exercício e aguarde cerca de 90 minutos após a prática de exercício intenso para amamentar novamente.
Ter a orientação de um Educador Físico é essencial para que a pratica de exercício não se torne prejudicial para esse seu período de amamentação.
  
Bibliografia

Leitão, M. B. et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: atividade física e saúde na mulher. Rev Bras Med Esporte vol.6 nº.6 Niterói Nov./Dec. 2000. ISSN 1517-8692

LIMAL, F. R; OLIVEIRA,N. Gravidez e exercício. Rev. Bras. Reumatol. vol.45 no.3 São Paulo May/June 2005. ISSN 0482-5004


Atividade Física. Disponível em <http://www.amamentar.net/ProfissionaisdeSa%C3%BAde/Am%C3%A3e/ActividadeF%C3%ADsica/tabid/210/Default.aspx>. Acesso em 22 de out. 2013. 

Profª Cristiane dos Santos
CREF 090370-G/SP

Professora de Educação Física, formada pela Universidade Santa Cecilia.
Email: cristiane.santos08@gmail.com

domingo, 3 de fevereiro de 2013

MUITO ALÉM DO PESO

Recomendamos que esse documentário seja assistido por todas as famílias. A obra apresenta a atual situação da saúde das crianças no Brasil. O primeiro passo para combater a obesidade infantil é a conscientização!!


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

ARTIGO PUBLICADO: Efeito agudo do exercício resistido sobre os parâmetros da glicemia capilar aguda em indivíduos diabéticos tipo 2

Depois de um TCC nota 10 no fim de 2011, o resultado não poderia ser diferente. ARTIGO PUBLICADO! 

PARABÉNS a Profª Cristiane dos Santos (Equipe Corpo Em Movimento), Profª Sabrina Lopez e Profª Danielle Fernandes.





Em Breve disponibilizaremos o PDF do Artigo aqui no Blog!


quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

A IMPORTÂNCIA DA RESPIRAÇÃO NA MUSCULAÇÃO



É comum observamos alunos na musculação executando exercícios prendendo a respiração excessivamente. Esse comportamento é chamado de “manobra de valsalva”, que é um bloqueio da glote (a parte mais estreita da laringe através da qual o ar penetra na traqueia) que impede a expiração do ar inalado, que resulta em aumento da pressão intra-abdominal, diminuição do retorno venoso e aumento da pressão arterial. Com essa elevação da pressão arterial aumenta a sobrecarga cardíaca; isso exige que o coração desenvolva maior pressão para ejetar o sangue, tornando o trabalho cardíaco mais difícil (FLECK e KRAEMER, 2006). Segundo Mcardle et al., (2011) essas respostas representam um perigo potencial para os indivíduos com doença cardiovascular.
É importante que o profissional de educação física não se atente apenas a postura correta do aluno na execução do exercício, mas que também encoraje os alunos, principalmente os iniciantes, a criar um padrão contínuo de respiração durante as séries do exercício, evitando, assim, a realização da manobra de valsalva (TEIXEIRA e GUEDES JR., 2010).
É importante ressaltar, no entanto, que a execução dessa manobra é inevitável em exercícios com intensidade igual ou superior a 80% de 1 RM (FORJAZ et al., 2010). Quando observamos alunos mais experientes em treinamento com pesos, é comum identificar os mesmos  realizando a manobra de valsalva que acaba dando mais estabilidade nas cavidades abdominal e torácica, estratégia usada para aprimorar a ação muscular. Entretanto, o ato de prender a respiração excivamente deve ser desencorajado.
Segundo Teixeira e Guedes Jr. (2009) não existe um consenso na literatura sobre a melhor ou a mais correta forma de respiração durante os exercícios, eles recomendam que o aluno simplesmente respire.
Fleck e Kraemer (2006) recomendam, expirar durante o levantamento de uma carga e inspirar durante a volta à posição inicial (respiração passiva), apesar de haver pouca diferença na resposta de frequência cardíaca e pressão arterial durante o treinamento de força se a expiração ocorrer durante a volta à posição inicial e a inspiração ocorrer durante o levantamento da carga (respiração ativa).
No entanto, é sensato que os alunos sejam orientados a respirar de modo que haja o maior conforto possível, com uma proporção de um ciclo respiratório (inspiração e expiração) para cada repetição, independentemente do tipo pelo qual se optou (TEIXEIRA e GUEDES JR., 2010).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FORJAZ, C. L. M. et al. Sistema cardiovascular e exercícios resistidos. IN: Negrão, C. E , Barreto A. C. P (editores). Cardiologia do exercício: Do atleta ao cardiopata. 3ª ed. São Paulo: Manole; 2010.

FLECK, S. J.; KRAEMER, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

MCARDLE, W. D. et al. Fisiologia do exercício: nutrição, energia e desempenho humano. Guanabara Koogan, 7ª ed. 2011.

TEIXEIRA, C.V.L.S.; GUEDES JR. D.P. Musculação: perguntas e respostas: As 50 dúvidas mais frequentes nas academias. São Paulo. Phorte Editora, 2010. 

TEIXEIRA, C.V.L.S.; GUEDES JR. D.P. Musculação: Desenvolvimento corporal global. São Paulo. Phorte Editora, 2009.


Profº Carlos André Barros de Souza
CREF 081728-G/SP
Professor de Educação Física (FEFIS)
Graduando em Fisioterapia (UNILUS)

Pós Graduando em Fisiologia do Exercício aplicado à clinica (UNIFESP)
Email: c.andrefisio@yahoo.com.br